Autarquia encerra piscinas para poupar

Menos de dois anos após terem sido inauguradas, as piscinas municipais cobertas de Freixo de Espada à Cinta estão de portas fechadas. Motivo: poupar dinheiro em tempo de crise, por parte da Câmara Municipal. Em média, 70 utilizadores diários, sobretudo crianças e idosos, ficam, assim, privados de fazer natação. O Agrupamento de Escolas não gostou da medida, que a autarquia classifica como "necessária".

 

As piscinas cobertas vão estar fechadas, pelo menos, até ao próximo mês de Abril. Esta medida drástica, tomada pelo executivo devido à necessidade de "fortes restrições orçamentais", já consta em edital. Assim, quatro mil habitantes ficam sem poder usufruir do equipamento que custou dois milhões de euros.

O complexo contava com uma média diária de 70 utilizadores, na maioria crianças e idosos, que frequentavam aulas de natação e hidroginástica e que agora ficam sem a valência. O encerramento das piscinas aconteceu segunda-feira e a autarquia espera poupar 12 mil euros por mês em custos de manutenção. O edifício está equipado com painéis solares, o que reduz os custos energéticos, mas, segundo o presidente da câmara, José Santos, adiantou ao CM, nos meses de Inverno a produção é escassa, "o que eleva em muito os custos com a electricidade e o aquecimento a gás". Apesar do fecho temporário, o autarca garante que nenhum funcionário será despedido. "Só deixam de receber horas extraordinárias", explica. O autarca José Santos admitiu que foi uma medida "difícil" de tomar, mas "necessária".

A decisão não foi bem acolhida na vila, principalmente no agrupamento de escolas do concelho. "A natação era tida como principal modalidade na área de desporto escolar e, agora, mais de 300 alunos ficam privados das piscinas. É uma situação lamentável para todos", comenta o professor Artur Parra, do Agrupamento Vertical de Escolas de Freixo de Espada à Cinta.

fonte:http://www.cmjornal.xl.pt/

publicado por adm às 22:25 | comentar | favorito